Zé Urbano

Loading...

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Sem mais, nem menos

Não resisto à uma investigação.
Tudo que eu tenho cabe num saco de gude.
O meu maior sonho não passa do joelho.
Passo longe das idéias, adoro um conselho.
Vivo à cata de um olhar que me redima.
Sou visto e não me enxergo.
Coleciono sê-los, mas não sou.
Quando estou nú acho tudo um exagero.
Já vestido, sinto falta do meu pelo.
A minha  indecisão já foi até patenteada.
Procurei por mim em tudo e me achei em nada!
Um deus ateu

Um deus tráido na confissões
Um deus perdido nas solidões
Um deus bandido nas soluções
Um deus querido nas multidões.

Que não sabe o valor que eu dou pro amor
Que não sabe o valor que eu dou pra dor.

Um deus sentido nas orações
Um deus saído dos corações
Um deus ferido, com arranhões
Um deus nos livros, nas coleções.

Que não sabe o valor que eu dou pro amor
Que não sabe o valor que eu dou pra dor.

Um deus tão crente dentro da gente
Um deus tão pasmo com o meu marasmo
Um deus tão certo, nem tão perto
Um deus tão triste com o dedo em riste.

Que não sabe o valor que eu dou pro amor
Que não sabe o valor que eu dou pra dor.
  
Um deus tão sério e cheio de mistério
Um deus assim, longe de mim
Um deus aflito pelo meu grito
Um deus ateu, nem teu nem meu!   
 

Quantos pintores loucos
pintaram com amor, servil,
pra servir de consolo
ao colecionador imbecil
que compra arte, qual tolo,
vê tudo sempre cor de anil
como se o céu fosse oco,
um buraco negro, gentil
que suga tudo e não mata
mistura flor e fuzil
amassa, engole e vomita
um arco íris febril ! 
Não me fale em pecado
antes que amanheça,
pois todo pecado noturno,
pede um dia que o esclareça!!
Os espelhos são os nossos delatores!
O espelho é o relógio das nossas rugas!

Sois, voz ...

Sois voz,
velho timoneiro
em cuja barba branca
deito minhas lágrimas.

Sois voz,
lindo menino levado
que, ora me adula, ora me beija,
ora me deixa de lado.

Sois voz,
do olho brilhante, adolescente
que, quando diz a verdade,
não sabe o quanto mente.

Sois voz,
grande homem  sem defeitos,
o prodígio dos feitos,
maravilha rara da imaginação.

Sois voz,
amante apaixonado,
que nunca vê a razão,
sua vizinha, ao lado.

Sois voz,
velho amargo, patriarca
que nunca deixa eu esquecer
dos meus defeitos de alicerce.

Sois voz,
jovem, louco e sonhador
que acredita tanto no homem,
um sonho de amador.

Somos, todos nós,
o tudo, enfim,
pedaços de minh'alma,
dentro de mim.